quinta-feira, 11 de julho de 2013

Banda Senhor X comemora o Dia Mundial do Rock, neste sábado (13), às 23h, no Paulistânia Rock Bar

                                                                                                                                         Marcelo Brigato

A banda Senhor X se apresenta neste sábado (13), a partir das 23h, no Paulistânia Rock Bar, em comemoração ao Dia Mundial do Rock. Com 16 anos de carreira, a banda Senhor X é formada por Carla Viana (voz, guitarra e efeitos), Beto Leonetti (guitarra, voz, piano e sintetizadores), Beto Braz (contrabaixo, voz e guitarra slide) e Alysson Rezende (bateria).

O Dia Mundial do Rock foi instituído há 38 anos, em 13 de julho de 1985, quando o músico irlandês Bob Geldof organizou o Live Aid, um show simultâneo em Londres, na Inglaterra e na Filadélfia, nos Estados Unidos, com o objetivo de protestar e angariar fundos para combater a fome na Etiópia, na África.

O evento contou com a participação do The Who, Status Quo, Led Zeppelin, Dire Straits, Madonna, Queen, Joan Baez, David Bowie, BB King, Mick Jagger, Sting, Scorpions, U2, Paul McCartney, Phil Collins, Eric Clapton e Black Sabbath. Desde então, o dia 13 de julho passou a ser conhecido como Dia Mundial do Rock.

Em 2005, duas décadas depois do show, Bob Geldof organizou o Live 8, com estrutura maior e shows em mais países com o objetivo de pressionar os líderes do G8 para perdoar a dívida externa dos países mais pobres e erradicar a miséria do mundo. Na ocasião, o grupo de rock britânico Pink Floyd se reuniu especialmente para o evento, após 20 anos de separação.

O Senhor X relembra sucessos de grandes bandas como Pink Floyd, Led Zeppelin, The Who, entre outras, no Paulistânia, que fica na rua Daniel Kujawski, nº 193, em Ribeirão Preto, SP. Os ingressos custam R$ 10 (mulher) e R$ 12 (homem).

Valeu Mestres Androzes André, Ale, Beto, João, Enio, Márcio, Manga, Rudah, Francis e Cia

Show de lançamento do CD Mestre Androz na Casa de Pedra, quarta-feira (10), no Sesc Ribeirão

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Pó de Café Quarteto toca na primeira edição do Coisa Jazz no Kaiser, sexta-feira (12), às 22h

O Pó de Café Quarteto, que acabou de lançar o primeiro CD, é a atração do primeiro Coisa Jazz no Kaiser, promovido pelo Espaço A Coisa, dia 12 julho, a partir das 22h, nos Estúdios Kaiser de Cinema. O grupo apresenta faixas do novo CD, além de interpretações para clássicos do jazz e temas instrumentais da música brasileira.


O grupo ficou a frente por mais de dois anos do projeto Jazz na Coisa, trazendo e formando o gosto pelo Jazz em Ribeirão Preto. O quarteto formado Bruno Barbosa (contrabaixo), Duda Lazarini (bateria), Marcelo Toledo (saxofone e flauta) e Murilo Barbosa (piano) contará com a participação do trompetista Marcelo Rocha.

O CD Pó de Café foi produzido pelo contrabaixista Bruno Barbosa e tem oito faixas, todas instrumentais, que transitam entre samba, jazz, baião, baladas e outras fusões. Conta com as participações e composições dos músicos Mauro Zacharias, Caetano Ribeiro, Carlinhos Machado, Rubinho Antunes, Murilo Barbosa, Mário Feres, Bidinho e João Magioni. O projeto do CD foi viabilizado por meio do PIC – Projeto de Incentivo à Cultura da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto.

A noite também conta com Mamute nos Malabares e discotecagem do DJ Kcond, que rola grooves que vão do soul à música brasileira, sempre com discos de vinil. Os Estúdios Kaiser de Cinema ficam na rua Mariana Junqueira, nº 33 – Centro. A entrada custa R$ 15. O estacionamento, com capacidade máxima de 100 carros, custa R$ 5. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone: (16) 3625-3600.

terça-feira, 9 de julho de 2013

André Perim lança CD Mestre Androz na Casa de Pedra, quarta (10), às 20h30, no Sesc Ribeirão

O compositor André Perim lança o CD Mestre Androz na Casa de Pedra, primeiro trabalho solo do músico, gravado em 2012. O show será nesta quarta-feira (10), às 20h30, no auditório do Sesc Ribeirão. As 13 faixas do álbum são o resultado da fusão entre arte e psicologia, alternando rock, balada, pop, samba, funk, ijexá e salsa.

Perim será acompanhado pelos músicos Alexandre Peres (guitarra e cavaquinho), Beto Leoneti (guitarras), João Naccarato (contrabaixo), Enio José Porfirio Soares (bateria), Rudah Felipe (percussão), Ale Carolo (piano e teclado), Márcio Bá (saxofone) e Manga Morais (trompete). A produção é de Francis Wiermann.


O CD independente foi idealizado em quase três anos de trabalho e está disponível apenas na versão digital para download. Segundo Perim, esse é o veículo atual e o que traz retorno mais rápido para o músico. As músicas estão disponíveis, gratuitamente, no site da Soundcloud.
                                                                                                                                    Fotos: Ale Carolo
Foto tirada segunda-feira (08),  no último ensaio da banda antes do show 
Os ingressos para o show Mestre Androz na Casa de Pedra custam R$ 10 (inteira), R$ 5 (meia) e R$ 2,50 (trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo matriculado no SESC e dependentes). O Sesc Ribeirão fica na rua Tibiriçá, nº 50. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (16) 3977-4477.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Diogo Nogueira canta sambas de sucesso, nesta sexta-feira (14), às 21h, no parque Maurílio Biagi

O cantor carioca Diogo Nogueira embala sambas e choros de sucesso, nesta sexta-feira (14), às 21h, no palco principal do parque Maurílio Biagi, em Ribeirão Preto, SP.  A artista é um dos representantes da nova geração do samba. Ele pede passagem para mostrar, entre outros sucessos, as canções de seu mais recente trabalho, CD Diogo Nogueira, gravado ao vivo em Cuba, em 2012.

Aos 31 anos, Diogo Nogueira também é compositor e vem de uma nobre linhagem do samba. Filho do saudoso sambista João Nogueira, acostumou-se desde cedo a ser embalado por choros e sambas. Chegou a treinar futebol na categoria de base de clubes no Rio e Porto Alegre, mas se machucou e desistiu. A MPB ganhou um grande artilheiro.

                                                                                                                                                                    Divulgação

No final de 2005, participou do show realizado no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, comemorando os 40 anos de carreira da cantora Beth Carvalho. Naquela noite, o sambista emocionou a plateia ao interpretar "O Poder da Criação". Em 2007, gravou o primeiro DVD no Teatro João Caetano, no Rio, com clássicos do samba e inéditas, ao lado de Marcelo D2, Xande de Pilares e o violonista Marcel Powell.

Diogo foi um dos indicados ao Prêmio Multishow de Música Brasileira de 2008, na categoria "Revelação". Em novembro do mesmo ano, Diogo participou da festa do Grammy Latino 2008, no Texas, EUA, prêmio que foi indicado na categoria principal, como "Artista Revelação", e ainda fez shows em Los Angeles e San Diego.

Em junho de 2009, o cantor lançou o segundo CD de sua carreira, "Tô fazendo a minha parte", no qual apresenta músicas inéditas, de sua autoria e de compositores como Chico Buarque, Ivan Lins, Arlindo Cruz, Almir Guineto, Xande de Pilares, Flavinho Silva, dentre outros.
Washington Possato
Em outubro de 2009, Diogo Nogueira se sagrou tetracampeão na Portela, co-assinando, pelo quarto ano consecutivo, o samba-enredo da escola de samba do coração da família Nogueira. Tanto em 2007, quanto em 2008, o samba-enredo feito por Diogo recebeu notas máximas de todos os jurados no desfile da Portela.


Em julho de 2010, o cantor gravou o segundo DVD de sua discografia, “Sou eu”, no palco do Vivo Rio, que teve os cinco mil ingressos esgotados na véspera. No show, Diogo recebeu a participação de Chico Buarque, Ivan Lins, Alcione, Hamilton de Holanda e dos bailarinos da Cia. de dança Carlinhos de Jesus. Seguiu então em turnê na Europa.

Em 2010, Diogo ganhou o Prêmio VMB da MTV Brasil, na categoria “Melhor artista de MPB”, além de ter concorrido ao melhor clipe do ano, um fato inédito na história da MTV para um clipe de samba. Em novembro do mesmo ano, o cantor ganhou o Grammy Latino, na categoria brasileira de “Melhor Álbum de Samba”, pelo disco “Tô fazendo a minha parte” (EMI Music).

João Nogueira, pai de Diogo
O artista fez shows nos Estados Unidos e Cuba. Na "ilha de Fidel", Diogo se apresentou no Teatro Karl Marx, com plateia lotada e participação do grupo cubano Los Van Van. Em 2012, além do lançamento de seu CD homônimo, gravado em Cuba, Diogo lançou o “Sambabook João Nogueira”, uma homenagem à obra de seu pai, João Nogueira.


Aperitivo do Sesc Ribeirão traz a mescla musical de Thiago Neves, domingo (16), das 11h às 13h

O músico Thiago Neves apresenta um repertório de samba, forró, xote e funk music, neste domingo (16), das 11h às 13h, na área de convivência do Sesc Ribeirão. O artista será acompanhado por Palinha Guita (violão) e Gabriel Molina (percussão). O Sesc fica na rua Tibiriçá, nº 50 - Centro.

Com 36 anos de idade e 22 de carreira, Thiago passou por diversas bandas e projetos de Ribeirão Preto, como vocalista das bandas Metrópole, Londres, Rota 66, Álibi, entre outras. Atualmente integra a banda Maquinativa, junto com Palinha Guita, Aldary Silva "Junião" (baixo) e Daniel Vilas Boas (bateria).

"Tive alguns projetos acústicos com o guitarrista e vocalista Neulis, há uns 15 anos. Ele me inseriu na MPB e, de lá pra cá, venho aperfeiçoando uma mescla de estilo, misturando rock com MPB, maracatu e funksoul music", disse o artista. No show de domingo, no Sesc, Thiago vai cantar e tocar bongô.

Irreverência no show da banda Maquinativa no Bronze Night Club



Larissa Baq apresenta canções do EP iR, sexta (14), às 20h, no palco do parque Maurílio Biagi

A percussionista, compositora e cantora Larissa Baq se apresenta na noite de sexta-feira (14), às 20h, no palco principal do parque Maurílio Biagi, em Ribeirão Preto, SP. A artista apresenta canções de seu primeiro trabalho solo, o EP iR, com produção musical de Fernando Nunes. O show integra a programação da 13ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto.

Larissa é natural de Franca, SP, e iniciou-se na música aos 12 anos. Estudou percussão com Mestre Dinho Gonçalves e James Mueller, violão com Ronaldo Sabino, trompete com Fausto Henrique e canto com Carlinhos Pessoa.


A cantora foi finalista do concurso Vale Cantar Noel, do 21º Prêmio da Música Brasileira (antigo Prêmio TIM, Prêmio Sharp), com uma versão do clássico do Poeta da Vila "Rapaz Folgado".  Ficou em destaque dentre os 10 finalistas e ganhou visibilidade em todo o País.

Representando a nova safra de cantores e compositores brasileiros, em 2012 foi convidada a participar do Brazilian Day Barcelona, na Espanha, para onde levou o show do EP iR. Em turnê de dois meses pela Europa, cantou em Londres (Ronnie Scotts Jazz Club, Guanabara, Primo Bar), Paris (Bellevilloise), Lisboa (Mini Teatro Lisboa, Fnac Chiado, Fnac Algarve), Porto (Breyner85) e Barcelona (Jamboree Jazz Club).

Teve sua música de trabalho tocada em rádios de Portugal e da Espanha, estando entre as cinco mais ouvidas na Rádio Kapa de Barcelos, em Portugal, em apenas dois dias de execução. Larissa também é integrante do ”Z4 – Percussão Ambulante” e BAK – Live Percussion.

Banda Senhor X apresenta o show Tributo ao Pink Floyd, quinta (13), às 20h30, no Sesc Ribeirão

A banda Senhor X faz um Tributo ao Pink Floyd em homenagem aos 40 anos do álbum The Dark Side of the Moon, nesta quinta-feira (13), a partir das 20h30, no galpão de eventos do Sesc Ribeirão Preto. Além do álbum na íntegra, serão tocados outros sucessos que marcaram a história da banda inglesa.


Com 16 anos de carreira, a banda Senhor X é formada por Carla Viana (voz, guitarra e efeitos), Beto Leonetti (guitarra, voz, piano e sintetizadores), Beto Braz (contrabaixo, voz e guitarra slide) e Alysson Rezende (bateria).

O CD Qual a Cara de X?, masterizado em Baltimore, EUA, apresenta em um único álbum as várias direções que Senhor X apresenta em seus shows. A banda possui quatro diferentes shows: Classic Rock; Tributo ao Pink Floyd; Tributo ao The Who; e o show do CD Qual a Cara de X?, todos com agenda definida para o ano todo.

Pink Floyd - A banda nasceu a partir da evolução de um grupo de rock formado em 1964 que teve vários nomes como Sigma 6, The Meggadeaths, The Abdabs, The Screaming Abdabs e The Architectural Abdabs. Com o nome Tea Set, o grupo uniu os músicos Bob Klose e Roger Waters (guitarras), Nick Mason (bateria), Richard Wright (instrumentos de sopro e teclado) e Chris Dennis (vocal).

Posteriormente, o guitarrista e vocalista Syd Barrett se juntou à banda. Waters passou para o contrabaixo. Tiveram que pensar em outro nome para a banda, pois Tea Set já existia. Foi de Barrett a ideia de homenagear os músicos de blues Pink Anderson e Floyd Council, passando a chamar a banda de Pink Floyd.


Barrett, no entanto, foi afastado da banda por mau comportamento no final dos anos 1960. No lugar dele entrou o guitarrista e cantor David Gilmour. Roger Waters gradualmente tornou-se o líder e principal compositor do Pink Floyd ao lado de Wrigth. Um dos grupos mais influentes na história do rock, Pink Floyd vendeu cerca de 300 milhões de cópias de seus álbuns.

Após o álbum The Final Cut (1983), o grupo se desentendeu. Roger Waters chegou a declarar, em 1985, que o Pink Floyd estava extinto. No entanto, Gilmour, Richard Wright e Nick Mason se uniram e brigaram na justiça para poder usar o nome oficial da banda. Ganharam esse direito e seguiram gravando e se apresentando, com sucesso comercial. Mais tarde, fecharam acordo com Waters.

Em julho de 2005, pela primeira vez em 24 anos, a formação mais clássica do Pink Floyd voltou a tocar, no concerto Live 8, em Londres, Reino Unido. Em setembro de 2008, o tecladista Rick Wright morreu, tornando mais difícil o sonho de retorno da banda.

A última reunião do Pink Floyd até agora foi em maio de 2011, quando Gilmour e Mason se uniram a Roger Waters na abertura de sua turnê solo na qual apresentava o álbum The Wall - outro grande sucesso banda - na íntegra, em Londres.

O Álbum - The Dark Side of the Moon, lançado em 1973, foi um dos mais emblemáticos do Pink Floyd chegando a figurar no Top 200 da Billboard durante 741 semanas consecutivas, ou seja, entre 1973 e 1988. O álbum possui 10 faixas: Speak to Me, Breathe, On the Run, Time, The Great Gig in the Sky, Money, Us and Them, Any Colour You Like, Brain Damage e Eclipse.

Quinta Jazz do Noite Nossa Bar traz Helton Silva Trio, dia 13 de junho, a partir das 21h, em Franca

Helton Silva (guitarra), Diego Randi (contrabaixo) e Marquinho Sabino (bateria) apresentam standards de jazz, blues e música brasileira, nesta quinta-feira (13), às 21h, no projeto Quinta Jazz do Noite Nossa Bar, em Franca, SP. O bar fica na Avenida Major Nicácio, nº 2287 - Jardim Luiza.

O guitarrista Helton Silva iniciou sua vivência musical aos 9 anos de idade, tendo como primeiro instrumento o saxofone. Ainda criança ampliou seus estudos, dando ênfase ao violão. Estudou música na Universidade Federal de Uberlândia e teve como principais professores os músicos Jodacil Damaceno, Sandra Mara Alfonso e Jorge Bertolini.

Após concluir o curso superior de música, direcionou foco à área de Musicoterapia (Especialização - CBM). Trabalhou por vários anos em instituições de saúde. Paralelamente à musicoterapia, realizou diversos trabalhos musicais, participando de diferentes formações, gravações e grupos, acompanhando cantores.

Seu caminho musical sempre esteve atrelado à música instrumental. Tem como principais influências artistas como Tom Jobim, Toninho Horta, Helio Delmiro, Lula Galvão, Wes Montgomery, Pat Martino and Metheny.

O artista gravou o CD Mais Perto - Closer, onde desenvolve uma linguagem jazzística, que parte do compromisso com os arranjos e fundamentos sonoros propostos, como por exemplo, as escolhas instrumentais. As diferentes sonoridades encontradas somam-se em um total de onze faixas que se interagem de forma significativa, apontando surpresas harmônicas e melódicas que se fazem presentes nas variadas execuções interpessoais.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Cláudia Cantarella canta Noel Rosa nesta quinta-feira (13), às 15h30, nos Estúdios Kaiser de Cinema

Cláudia Cantarella, acompanhada pelo violão de Eduardo Tarlá, interpreta sucessos de Noel Rosa, quinta-feira (13), às 15h30, nos Estúdios Kaiser de Cinema, em Ribeirão Preto. O evento Vila Noel: Poesia e Samba promete ser didático, musical e poético, contando a trajetória do Poeta da Vila, como é carinhosamente chamado o compositor carioca.


A apresentação integra o projeto Palavra Cantada da 13ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto. A mediadora será a professora Maria José Botino Roma, mestra em Estudos Literários. A música e a poesia sempre foram as paixões de Cláudia, que é professora de Português, mestra em Literatura. Nunca conseguiu optar por uma dessas paixões, por isso, constantemente realiza shows sobre a história da MPB e do samba.

Poeta da Vila - Noel de Medeiros Rosa (1910-1937) nasceu no Rio de Janeiro. Sambista, cantor, compositor, bandolinista, violonista e um dos maiores e mais importantes artistas da música brasileira. Teve contribuição fundamental na legitimação do samba de morro e no asfalto, ou seja, entre a classe média e o rádio, principal meio de comunicação em sua época - fato de grande importância, não só para o samba, mas para a história da música popular brasileira.

Cláudia Cantarella está finalizando seu primeiro CD, com composições próprias, do violonista Eduardo Tarlá e outros amigos. O álbum está em fase de mixagem e deve ser lançado no início do segundo semestre de 2013. O desenho da capa é do artista plástico Miguel Ângelo. A diagramação é de Guli Costa.

Alessandra Ramos interpreta Milton Nascimento, quarta-feira (12), às 15h30, nos Estúdios Kaiser

A cantora Alessandra Ramos interpreta canções do compositor mineiro Milton Nascimento, nesta quarta-feira (12), às 15h30, nos Estúdios Kaiser de Cinema. No show intitulado "O som das Gerais", a artista canta sucessos como Caçador de Mim, Ponta de Areia, Maria Maria e Caxangá, entre outras.

A paulistana Alessandra Ramos viveu a infância e adolescência na capital. Em 1992, aos 18 anos, mudou-se com a família para São José do Rio Preto, SP. Começou suas aulas de canto em São Paulo com Susana Salles e Jean Garfunkel e depois no interior com Leila Cabral e Paulo Rowlands. Aos 19 anos fez parte de um coral de música erudita.

Em 1995 iniciou sua carreira profissional cantando em bandas de baile como Tema Livre, Apocalipse e Kreep Suzet. Em 1998 grava seu primeiro CD, com repertório pop e soul. Depois dessas experiências, começou a cantar nos bares e festivais de música de Rio Preto e toda região.

No final de 2005 mudou-se para Ribeirão Preto onde teve contato mais estreito com a Música Popular Brasileira, acompanhada por músicos da cidade. Em 2007 estreou o show “Recicla Brasil”. No ano seguinte, integrou o musical “Tempo de Resistência”. Em 2009 gravou o CD “Mistura da Boa” com o violonista Zé da Conceição.

Em 2009 participou da 9º Feira do Livro de Ribeirão Preto, com uma homenagem a Dorival Caymmi. Em setembro de 2009 começou aulas de violão com o violonista Vicente Caetano. Em março de 2010 interpretou a cantora Nora Ney no espetáculo em homenagem as Rainhas do Rádio, produzido e dirigido por Eula Hallak e Renato Grecco.

Verônica Ferriani canta Vinícius de Moraes no Dia dos Namorados, às 21h, no Theatro Pedro II

Verônica Ferriani se apresenta no palco do Theatro Pedro II no Dia dos Namorados, quarta (12), às 21h. A cantora vai prestar uma homenagem ao poetinha Vinícius de Moraes, que este ano completaria 100 anos. Na apresentação, Verônica estará na companhia de quatro músicos, relembrando as parcerias de Vinícius com Tom Jobim, Baden Powell, Pixinguinha e Toquinho.

                                                                                                                                                        Fotos: Divulgação

Natural de Ribeirão Preto, SP, aos 8 anos de idade Verônica Ferriani ganhou seu primeiro violão. Aos 17 anos, mudou-se para São Paulo para estudar na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP). Ao final da faculdade, porém, tendo voltado a estudar música, redescobriu-se numa intensa vontade de cantar.

Subiu ao palco pela primeira vez em dezembro de 2003, no teatro do Sesc Pompeia, em São Paulo, a convite do violonista e compositor Chico Saraiva, vencedor do Prêmio Visa 2003. Com ele, apresentou-se por dois anos em diversos projetos pelo Brasil.

Verônica Ferriani canta acompanhada pelo violonista e compositor Toquinho

Paralelamente, dava seus primeiros passos em rodas de samba em São Paulo e no Rio de Janeiro. Em temporada de seis meses no Traço de União (SP, 2004), abriu shows de artistas da Velha Guarda, como Monarco, Nélson Sargento, Riachão, Tia Surica, Tia Doca, Noca da Portela, Seu Jair do Cavaco, Walter Alfaiate, Wilson Moreira, Moacyr Luz, Luiz Carlos da Vila, Wilson das Neves e Billy Blanco.

Em 2009, Verônica Ferriani lançou seu primeiro disco - Verônica Ferriani -, com produção musical de BiD e distribuição da Tratore. Apaixonada por percussão e pela música brasileira, Verônica incorporou ao CD elementos dos ritmos latino e africano. “Um dos melhores lançamentos de 2009″, segundo o crítico Toninho Spessoto.

Ainda em 2009, ela e Chico Saraiva foram contemplados pelo Projeto Pixinguinha (Funarte – MinC), voltando a se encontrar para gravarem juntos o álbum Sobre Palavras, projeto a seis mãos exclusivamente com músicas inéditas de Chico e Mauro Aguiar. O projeto lhe rendeu o Prêmio Catavento 2010 de melhor cantora, além de turnês e shows através da seleção nos editais do BNDES e do ProAC.

Em 2011, a Gafieira São Paulo venceu o 22º Prêmio de Música Brasileira – Vale na categoria “grupo de samba”, ao lado de Zeca Pagodinho (categoria “ melhor cantor”) e Alcione (“melhor cantora”).

Verônica tem sido convidada a dividir o palco com artistas consagrados como Beth Carvalho, Ivan Lins, Toquinho, Mart’nália, Spokfrevo Orquestra, Francis Hime, Marcelo D2, Jair Rodrigues, Tom Zé, Moska, Martinho da Vila, Moacyr Luz, Elton Medeiros e Zé Renato, além de participar de importantes projetos e festivais em palcos por todo o Brasil e fora do País.

Lelê Fegom canta sucessos de Cazuza, terça-feira (11), às 15h30, nos Estúdios Kaiser de Cinema

O cantor Lelê Fegom resgata o rock nacional dos anos 1980 interpretando músicas de Cazuza, nesta terça-feira (11), às 15h30, nos Estúdios Kaiser de Cinema, em Ribeirão Preto, SP. No show, o artista integra instrumentos de cordas como bandolim e violão.

Alexandre Ferreira Gomes Buliani (Lelê) nasceu e mora em Ribeirão Preto. Formando em 2013 no curso de Arquitetura e Urbanismo, já foi professor de Iniciação Musical em duas escolas na cidade e hoje atua na área de produção artística de bandas, como Técnico de Palco (Os Virgens, Evandro Navarro, Os Filhos da Mãe Joana, Chavala Talhada, entre outras).

É compositor, violonista e vocalista em seu projeto solo (Lelê Fegom), onde são abordadas principalmente, questões cotidianas que definem a cidade a partir de sua forma e ocupação. Hoje é responsável pela programação musical e agenciamento de artistas do Coletivo Fuligem, ponto de articulação da rede Fora do Eixo.

João Naccarato canta Dori Caymmi nos Estúdios Kaiser de Cinema, segunda-feira (10), às 15h30

O músico João Naccarato apresenta canções do compositor Dori Caymmi, no projeto Palavra Cantada da 13ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, nesta segunda-feira (10), às 15h30, nos Estúdios Kaiser de Cinema. Na oportunidade, o artista também vai mostrar canções de seu primeiro CD solo, “Café com Paçoca”, lançado ano passado com 10 faixas.
                                                                                                                                         Victor Marim ME

Naccarato também é arquiteto e artista visual. Começou a carreira cedo. Aos 16 anos, já tocava ao lado de músicos profissionais, aprimorando cada vez mais seu conhecimento sobre música. Ouvia vários compositores e experimentava vários ritmos. Desta forma criou seu próprio estilo musical.

O CD Café com Paçoca, produzido com o apoio de Rômulo Felicio no Understudio, em Ribeirão Preto, contou com a participação de músicos como Paulinho Zambianchi, Daniel Vilas Boas, Fred Sum Walk, Camila Bianchi, Enio Soares, Rafael Adorno, Roberto Dantas, Manga Moraes, Rudah Felipe, Wellington Ruvieri, André Perim, Filipe Cardoso, Andrezão Paulin, João da Gaita, Fabiana Sbern e Ale Carolo.

sábado, 8 de junho de 2013

Roberto Carlos faz apresentação única em Ribeirão

O cantor e compositor Roberto Carlos faz apresentação única em Ribeirão Preto, dia 11 de maio, às 21h, no Centro de Eventos Pereira Alvim. O artista será companhado por orquestra de 16 músicos e três vocais, regida pelo maestro Eduardo Lages. Os ingressos custam de R$ 110 a R$ 480. O local fica na Avenida Maurílio Biagi, nº 1.800. Informações pelo telefone (16) 3421-3072.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Regina Dias interpreta sucessos de Nara Leão, domingo (9), às 15h30, nos Estúdios Kaiser

A cantora Regina Dias, natural de Ribeirão Preto e radicada em São Carlos, interpreta canções que fizeram sucesso na voz de Nara Leão, entre outros clássicos da MPB, neste domingo (9), às 15h30, nos Estúdios Kaiser de Cinema. Regina atua no circuito musical há mais de 30 anos. Atualmente é vocalista do grupo Hamilton e seus Estados.

Regina já atuou ao lado de artistas como Paulinho Nogueira, Guinga, Guto Lacaz, Simone Guimarães, Bia Mestriner, Dimi Zumquê, Maria Butcher, Celso Viáfora, Hamilton Silveira, Juarez Moreira e Marcio Correia, entre outros. Tem faixa musical gravada no CD da Rádio USP Ribeirão Preto e gravou DVDs dos shows A Bossa ainda é Nova e Elas por Ela.

A artista iniciou a carreira musical em 1980, como vocalista dos grupos Sassafrás e Bagage. Em 2009, Regina foi premiada no Femucic (Festival de Música Cidade Canção) Sesc Maringá, com a gravação de uma das faixas do CD Música Congada, lançado no mesmo ano.

Filarmônica do Sesi/Acissp toca na 13ª Feira Nacional do Livro, domingo (9), a partir das 15h

A Filarmônica Infanto Juvenil do Sesi/Acissp (Serviço Social da Indústria; e Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e de Serviços de São Sebastião do Paraíso), formada por crianças e jovens de 8 a 16 anos, se apresenta na Vila do Livro, domingo (9), às 15h, durante a 13ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto. No repertório, música popular.


O grupo formado em agosto de 2006 conta atualmente com 31 integrantes e 20 alunos em fase de desenvolvimento. Todos recebem aulas teóricas e práticas de música, sob a regência do maestro Luciano Altran. Através da música, os integrantes recebem noções de cidadania, meio ambiente, administração do tempo e disciplinas escolares.

Hélio Ziskind apresenta show infantil na 13ª Feira do Livro de Ribeirão Preto, domingo (9), às 10h

O músico Hélio Ziskind, um dos fundadores do Grupo Rumo, apresenta show infantil no palco principal do parque Maurílio Biagi, neste domingo (9), a partir das 10h. A artista foi consultor musical na TV Cultura de São Paulo de 1985 a 1993. Ganhou destaque por compor temas para os programas Roda Viva, Repórter Eco, Vitrine, Vestibulando, Nossa Língua Portuguesa, Rá-tim-bum, Castelo Rá-tim-bum, X-Tudo e Cocoricó, entre outros.


Ziskind cursou Composição no Departamento de Música da ECA/USP (1975 a 1982), em São Paulo. Em 1997 lançou o álbum Meu Pé Meu Querido Pé, reunindo temas de programas como Cocoricó, Castelo Rá-Tim-Bum, Banho de Aventura, Glub-Glub e X-Tudo além de incluir uma versão musicalizada do poema "Plutão", do escritor Olavo Bilac.

Corais do Colégio Itamarati e da AOPR cantam domingo (9), das 9h às 10h, na escada do Pedro II

O Coral Infanto Juvenil do Colégio Itamarati se apresenta neste domingo (9), às 9h30, na marquise do Theatro Pedro II, em Ribeirão Preto, SP. As 50 vozes serão regidas pela professora Laís Paolini, acompanhadas pelo piano de Regina Lúcia de Castro. O Coral foi criado em 1991 como atividade extracurricular.

Já o Coral da Associação Odontológica de Ribeirão Preto (AORP) se apresenta às 9h30, coordenado por uma equipe da Cia. Minaz, sob a batuta da maestrina Gisele Ganade. O Coral existe há 13 anos e vem integrando, divertindo e encantando os dentistas associados à AORP.

Corais Sincovarp e Gira Sol animam a marquise do Theatro Pedro II, neste sábado (8), das 9h às 10h

O Coral do Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto (Sincovarp), formado por 35 vozes sob a batuta da regente Regina Lúcia Regada Mello Matos de Castro, apresenta canções populares e folclóricas na marquise do Theatro Pedro II, em Ribeirão Preto, neste sábado (8), às 9h. Em seguida, às 9h30, o Coral Gira Sol, formado por 25 vozes sob regência de Fátima de Oliveira Domingo, apresenta um repertório de músicas alemãs e folclóricas.

Coral Sincovarp regido pela batuta de Regina Lúcia de Castro

Músico Paulo Bira leva show Brasileirinhos ao palco principal da 13ª Feira do Livro, sábado (8), às 10h

Brasileirinhos - música para os bichos do Brasil. Este é o nome do CD lançado por Paulo Bira, que traz 15 composições baseadas nos poemas da série de livros Brasileirinhos (Cosac Naify), com poemas de Lalau e ilustrações de Laurabeatriz. Bira vai apresentar o show sábado (7), às 10h, no palco principal da 13ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto.

                                                                                                                                                                Foto: Vania Vieira

A apresentação é direcionada ao público infantil. No entanto, o show certamente despertará interesse de adultos apaixonados por música. O CD, lançado em 2010 pelo selo Azul Music, conta com a participação de grandes intérpretes como Zeca Baleiro, Suzana Salles, Paulo Tatit, Skowa, Mario Manga, Jerry Espíndola e Marisa Orth, entre outros. O álbum foi indicado ao prêmio Grammy Latino em 2010 na categoria Melhor Álbum de Música para Crianças.

Além de musicar todos os poemas com nome de bichos em extinção, Paulo Bira também produziu, arranjou e gravou o CD. Sua inspiração surgiu naturalmente: “Desde que o primeiro livro dessa série foi lançado, sempre gostei de ler para os meus filhos. Com o tempo, fui percebendo a musicalidade que os poemas e a própria personalidade dos bichos revelavam. A partir daí, as músicas foram surgindo quase que naturalmente”, diz Paulo.  

Os ritmos são atração à parte. O imponente Urubu-rei ganhou um ritmo valseado; o Jacaré-de-papo-amarelo, como é comum no Pantanal, é representado por uma guarânia, com direito a viola caipira de Luiz Waack; a indolente Preguiça ganhou uma moda de viola que, depois, se transforma em reggae; o Mico-leão-dourado, coisa muito nossa, ganhou um samba; já o Peixe-serra e o Tubarão-martelo inspiraram um tremendo rock!

O músico - Baixista, compositor, arranjador e produtor, Paulo Bira sempre teve a preocupação de equilibrar teoria e prática em sua formação musical. Seus estudos formais compreendem baixo acústico com Gerson Frutuoso (Orquestra de Cordas do SESC), baixo elétrico com Celso Pixinga, harmonia com Hilton Jorge Valente (Gogô) e arranjo com o maestro Claudio Leal Ferreira.

Em 1996, lançou um CD solo instrumental (“Paulo Brioschi, Músico”) onde assina todas as composições e arranjos, além da produção e direção musical. Tem participações gravadas em CDs de Luiz Waack, Tetê Espíndola, Bocato, Alzira Espíndola, Bob Cupini, Dema K., Miriam Maria e Mona Gadêlha, para quem produziu e arranjou várias faixas de seus 2 últimos CDs.

Em 2005 iníciou o projeto ROTOROOTS, com o baterista e percussionista Paulo Pixú e o tecladista Edu Diegues. Trabalha com o grupo Mawaca desde 2003, como baixista, e foi co-produtor do mais recente trabalho do grupo, intitulado "Rupestres Sonoros".

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Gilberto Gil leva o show Sucessos ao parque Maurílio Biagi, neste sábado (8), a partir das 21h

O cantor e compositor baiano Gilberto Gil leva o show Sucessos ao palco principal do parque Maurílio Biagi, em Ribeirão Preto, neste sábado (8), a partir das 21h. O evento integra a programação musical da 13º Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto. No repertório, clássicos de seus quase 50 anos de carreira.

Com 57 álbuns lançados, Gilberto Gil ganhou oito Grammys, o "Oscar da Música".
Ritmos do nordeste do Brasil como o baião, samba e bossa-nova foram fundamentais na sua formação. Usando essas influências como um ponto inicial, Gil formulou sua própria música, incorporando rock, reggae, funk e ritmos da Bahia, como o afoxé.


A obra musical de Gilberto Gil abrange uma ampla dimensão e variedade de ritmos e questões em suas composições, pertinentes a realidade e a modernidade; da desigualdade social às questões raciais, da cultura Africana à Oriental, da ciência à religião, entre muitos outros temas.

A importância de Gil na cultura do Brasil vem desde os anos 1960, quando ele e Caetano Veloso criaram o Tropicalismo. Radicalmente inovativo no cenário musical, o movimento assimilou a cultura pop aos gêneros nacionais; profundamente crítica nos níveis políticos e morais, o tropicalismo finalizou sendo reprimido pelo regime autoritário militar.

Foto: J. Freitas
Anos mais tarde, seu engajamento político o levou à câmara dos vereadores de Salvador, em 1989, pelo PMDB. No ano seguinte, filiou-se ao PV (Partido Verde), como membro da Comissão Nacional Executiva. Em janeiro de 2003, foi nomeado Ministro da Cultura, cargo que exerceu até julho de 2008. Desde então, dedica-se à vida artística.